MPL Floripa

Por uma cidade para as pessoas e não para os carros!!!

1453520_10153518778870245_180310870_n

Os acidentes envolvendo ciclistas estão longe de serem apenas um “acaso infeliz”. São fruto de uma cidade que cresce desordenadamente e sem projeto de mobilidade urbana. São fruto de políticas que priorizam os carros, deixando de lado toda a parcela da população, de trabalhadores, que se locomovem de ônibus, bike, ou a pé.

Quase que diariamente lemos ou ouvimos alguma notícia que denuncia mortes em decorrência de atropelamentos. Se repetimos uma coisa várias vezes, ela se torna normal. Se vemos uma coisa com frequência, ela se naturaliza. Por esse motivo, estamos, infelizmente, nos acostumando a passar pela SC-401 e ver ciclistas e pedestres correndo riscos, obrigados a dividir o pouco espaço existente com carros e ônibus e, cada vez com mais frequência, vemos acidentes trágicos que acabam em morte. Tudo isso porque há uma total falta de investimento em segurança para os ciclistas e pedestres, assim como não há política e investimento em melhorias e na priorização do transporte coletivo.

Chegou a hora de pararmos e discutirmos o problema da mobilidade em Florianópolis. A situação de negligência com os meios de transporte alternativos ao carro é evidente e se agrava na temporada, quando a cidade – que vive parada – mais do que dobra sua população, sem nem ao menos ampliarem-se os horários dos ônibus.

A mesma política que prioriza o uso do automóvel nas cidades, é a que precariza o transporte coletivo, gerando mais congestionamentos, mais poluição e mais acidentes e mortes no trânsito. A fórmula é simples: (+) tarifa = (+) carros (-) mobilidade. Esse modelo está levando nossa cidade ao caos, demonstrando-se absolutamente insustentável!

Por uma cidade para as pessoas e não para os carros!!!

Movimento Passe Livre Florianópolis


Na próxima sexta feira haverá um protesto, auto organizado por diversos ciclistas, na SC401 sobre a questão das mortes.
Participe!
Para saber mais: https://www.facebook.com/events/687262338082178/

MPL Floripa

Tarifa Safadona: 99% lucro das empresas mas aquele 1% paga o custo do busão

tarifa safadona

Você sabia que, se a tarifa fosse atualizada de acordo com a inflação, hoje pagaríamos R$ 1,78 pela passagem em Floripa? Pois é! A inflação acumulada desde a implantação do real, foi de 424,12%, enquanto a tarifa aumentou 929,41%, saltando de R$ 0,34 (tarifa média) para os atuais R$ 3,50!

Isso é inaceitável! Como é que se explica que a tarifa tenha aumentado quase o DOBRO da inflação? É muita falcatrua dos empresários safadões! Um verdadeiro assalto aos nossos bolsos, patrocinado pela Prefeitura, que só sabe aumentar tarifa e dar aquela ajudinha pros ladrões!

Sai, Safadão! O prefeito César Safadão pode até dizer que não é culpa dele, mas de junho/2014 para cá, período de vigência do novo contrato assinado depois da licitação, o aumento foi de 27,27% (de R$ 2,75 para os atuais R$ 3,50) enquanto a inflação acumulada foi de 13,96%.

Quer mais? Não é só com a tarifa que esses safados lucram não! A cara de pau deles é tanta que os “coitadinhos” dos empresários alegam trabalhar no vermelho! Dizem que o negócio deles dá prejuízo e ainda abocanham um montão de dinheiro todo mês pelo repasse de subsídios da Prefeitura às empresas, que já chegou a R$ 0,42 por passageiro (somando R$ 1.886.810,52 por mês!!!). Mesmo assim, esses pilantras ainda dizem que tão perdendo dinheiro e alegam que a dívida da Prefeitura com as empresas está em torno de R$ 12 milhões (http://bit.ly/22VTlYa).

Calma que ainda não acabou! As mesmas cinco empresas de sempre – Canasvieiras, Emflotur, Estrela, Insular e Transol – e mais a Sulcatarinense, são donas da COTISA, o consórcio que administra os terminais de ônibus da cidade. Para usar os terminais, as empresas pagam para a COTISA (ou seja, elas pagam para elas mesmas) um montão de dinheiro, e isso faz a tarifa ser ainda mais cara! A coisa é tão descarada que uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado mostrou que a taxa de lucro da COTISA foi fixada em 32%, enquanto os índices nesse mercado giram em torno de 8% (http://bit.ly/1nZ8hAB). CÉLOKO!!!

É tanta ladroagem e cara de pau que não dá pra aguentar! E por falar em cara de pau, por que será que a Prefeitura, na surdina, tirou do ar todas as planilhas de custo e cálculo da tarifa? Cadê a transparência, Safadão?

Motivo não falta pra se revoltar, né não? Passou da hora de dar um basta nessa palhaçada que tão fazendo com a gente, que depende desse transporte caro e de péssima qualidade! Todo mundo sabe que isso só vai ter um fim quando o povo se indignar e tomar as ruas da cidade. O MPL está se organizando junto com a Frente de Luta pelo Transporte, que está aberta a participação de todos e todas! Só juntos é que vamos colocar esse bando de safados na linha.

PARTIU RUA! QUINTA-FEIRA, 14/03, às 17h30 no TICEN

Evento: https://www.facebook.com/events/161584654206682/

MPL Floripa

Mãos ao alto!

metropolitana
Quem mora ou trabalha na região metropolitana de Floripa já está sabendo: a passagem subiu de novo! Os intermunicipais tiveram aumento de até 40 centavos. Parece pouco? Pense no tanto de coisas legais que você poderia fazer com R$ 255,00. Se você mora na Palhoça e tem que vir todo dia pro centro de Floripa vai gastar essa quantia a mais por ano agora que a passagem subiu. Como se não bastasse os mais de 3,4 MIL REAIS que um trabalhador do continente desembolsava por ano para pagar o latão, agora serão R$ 3.720,00. Imaginem o quanto isso pesa no orçamento de uma família inteira. Cada centavo aumentado na passagem significa, no final do mês, uma porção de coisas que essas famílias deixarão de fazer, lugares onde não poderão ir, comidas que deixarão de comprar. Quanto mais longe a pessoa mora do centro, mais prejudicada ela fica. Aumentar a tarifa é um ato de violência inaceitável contra essas pessoas.

A passagem foi aumentada sem muito aviso prévio pelo Deter (Departamento de Transportes e Terminais de Santa Catarina) e vale para as linhas operadas pelas empresas Jotur, Biguaçu, Estrela, Imperatriz e Santa Terezinha. O Deter já deu as desculpas de sempre (aumento de custos, aumento do salário dos motoristas e cobradores, inflação, etc..). Mas porque é que nós, passageiros, é que temos que pagar a conta? Porque não tiram o dinheiro do lucro das empresas incompetentes que controlam o transporte? Nós não temos opção e somos obrigados a usar esse serviço de bosta e pagar caro por ele. O Deter não pode ficar impune praticando essas arbitrariedades e prejudicando a vida dos trabalhadores e trabalhadoras da cidade. Estão tirando o povo de otário e enchendo os bolsos de dinheiro.

A hora é de revolta. Mobilize-se no seu bairro, feche a rua de suas escolas, converse com seus vizinhos. Esse aumento é violento, imoral e não pode passar em branco!

MPL Floripa

Uma vida vale R$2,45?

No dia 17/05, um adolescente negro foi assassinado por um grupo de homens armados na Grande Vitória/ES. O motivo? R$2,45. O menino entrou no ônibus com mais 3 amigos menores de idade e pularam a catraca. Logo em seguida foram brutalmente atacados por homens armados com porretes e armas de choque. Este não é um caso isolado, a quadrilha tem agido em vários ônibus da região linchando jovens com o objetivo de impedi-los de pular a catraca.

Nós do Movimento Passe Livre temos lutado em todo país por outro modelo de transporte público que não seja centrado na tarifa. Entendemos o transporte como um direito que precisa ser garantido para que todas e todos possam ter acesso à cidade. Hoje não é assim, quem não pode pagar a tarifa não se movimenta pela cidade.

Pular a catraca não é crime! É um ato político.

Nosso direito está sendo sequestrado e transformado em lucro pelos empresários do transporte. Mas o povo sempre cobra o que é seu e, muitas vezes, a maneira que acha para fazê-lo é pulando a catraca. Este é um ato que ao mesmo tempo transpõe aquele objeto que nos impede de nos mover pela cidade e questiona o próprio modelo de transporte existente.

Uma vida vale R$2,45?

Sob nenhuma hipótese a vida de um jovem pode valer o preço da tarifa. Os pobres não devem ser penalizados por lutarem contra as catracas.

Não foi por coincidência que os 4 adolescentes que pulavam a catraca eram negros, não foi por coincidência que o acontecido se deu numa região periférica (na linha do Vila Nova de Colares, bairro da Serra, cidade da Grande Vitória), não foi por coincidência que os adolescentes estavam voltando de um baile funk. O que vemos no país hoje é um verdadeiro extermínio da juventude preta e pobre.

Segundo informações da mídia local, os suspeitos de assassinar o adolescente, agem regularmente dentro dos ônibus, se apresentam como policiais ou militares do exército e andam armados. Quem são esses que matam pessoas por não pagarem a tarifa? Qual o interesse desses sujeitos em proteger o lucro dos empresários de transporte? A quem serve essa milícia?

Nos solidarizamos com o povo capixaba, com os jovens pretos e pobres, com os que lutam por outro transporte público. Seguimos pulando catracas! Seguimos lutando! #‎minhavidavale2e45‬?

Movimento Passe Livre Florianópolis

Noticia: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2015/05/noticias/cidades/3897294-gangue-mata-jovem-por-pular-roleta-do-transcol.html

MPL Floripa

Roda de Conversa: Como implementar a tarifa zero em Florianópolis?

O Movimento Passe Livre Florianópolis convida a todas e todos para uma discussão que dará início à construção de um projeto de lei de iniciativa popular para a implantação da Tarifa Zero no transporte coletivo de Florianópolis.

Para essa roda de conversa, contaremos com a presença do Lúcio Gregori, que foi secretário de transporte da cidade de São Paulo entre 1990-92, quando, junto com sua equipe, propôs a Tarifa Zero como solução para os problemas de transporte da cidade.

Chega de esperar dos políticos, empresários e “especialistas” da prefeitura a solução dos nossos problemas! Venha conosco construir uma alternativa popular para o transporte da cidade.

Por um transporte público, gratuito e de qualidade, acessível a toda população! Tarifa zero pra quem? PRA TODO MUNDO!!!

Quando? 13.05, 18h 30min
Onde? Local a confirmar
Evento: https://www.facebook.com/events/1579986532264023/

cartaz lucio 13

MPL Floripa, reunião

Vem pro Passe Livre!

reuniao aberta

O Movimento Passe Livre Florianópolis convida todas e todos para participar no próximo sábado da reunião do movimento, é só chegar ali na Praça do Pida (Santos Dumont) na Trindade. Venha construir a luta por uma vida sem catracas!

O Movimento Passe Livre (MPL) é um movimento social autônomo, apartidário, horizontal e independente, que luta por um transporte público de verdade, gratuito para o conjunto da população e fora da iniciativa privada.

O MPL é um grupo de pessoas comuns que se juntam há uma década para discutir e lutar por outro projeto de transporte para a cidade. Estamos presentes em várias cidades do Brasil e lutamos pela democratização efetiva do acesso ao espaço urbano e seus serviços a partir da Tarifa Zero!

“Vem pro Passe Livre, bonde dos catraqueiros
Pule a catraca, economize seu dinheiro!”

*** Caso chova a reunião será no Varandão do CCE – UFSC.

contraoaumento, licitação, mobilidade urbana, MPL Floripa

“Incompetente e Covarde”: Carta aberta ao Prefeito César Souza Junior

A marca da atual administração municipal tem sido a incompetência e a covardia: que isso seja dito desde o início.

Os escândalos de corrupção envolvendo seus aliados políticos na Câmara tornam a situação ainda pior: a Operação Ave de Rapina indiciou mais da metade dos vereadores da cidade, incluindo Cesar Faria, seu braço direito na Câmara, apontado pelas investigações como chefe do esquema de desvio de dinheiro público. Ex-diretores do IPUF e o ex-comandante da Guarda Municipal também figuram entre os indiciados da Ave de Rapina, tendo sido flagrados, em meio às últimas eleições, pela Polícia Rodoviária Federal, com R$ 100 mil e material de propaganda eleitoral; todos nomeados ou mantidos no cargo por você mesmo, não é verdade?

No transporte coletivo da cidade as coisas não estão diferentes. A cada dia sofremos mais com um serviço de péssima qualidade, precário, caro e ineficiente. Estamos cansados e cansadas de ônibus lotados, da falta de linhas e horários, de veículos sem ar condicionado e sem nenhuma condição de conforto para motorista, cobrador e passageiras/os. Aí você veio com a licitação, para deixar tudo como estava antes, do jeitinho que seus amigos empresários queriam.Print

Com a licitação foram só os seus amigos empresários do Consórcio Fênix (a Ave de Rapina do Transporte) que se beneficiaram. Nenhum espaço democrático foi aberto para que a população decidisse qual modelo de transporte coletivo queria para a cidade, você só estava preocupado em favorecer os empresários (os mesmos que exploram o serviço desde 1926) e garantir que eles pudessem continuar lucrando com o sistema de transporte por mais 20 anos. Deu no que deu…

 Hoje sofremos com um serviço ainda pior. Vários horários e linhas foram cortados, tudo em nome da “racionalização”do sistema (na verdade, dos lucros). A remuneração, que antes era por km rodado, passou a ser por passageiro, tornando lucrativo diminuir a quantidade de ônibus circulando e entupir cada veículo com o maior número possível de usuárias/os. Os amarelinhos entraram de vez no sistema, aumentando a oferta deles nas ruas e obrigando quem está cansado de esperar nos pontos a embarcar e pagar ainda mais caro.

O que falar dos veículos? Com a licitação, qual foi o padrão de conforto exigido? Veículos com ar condicionado? Não. Veículos modernos e acessíveis? Não. Na verdade, os nossos ônibus não passam de caminhões encarroçados, usados para transportar pessoas. Por quanto tempo o prefeito aguentaria se deslocar diariamente assim, sem se revoltar?

Alguns dizem que a licitação não serviu para nada. De fato, para nós usuárias e usuários, isso é verdade. Mas para seus amigos empresários, que belo trabalho da Prefeitura, garantindo um contrato de 20 anos, com cláusula de aumento na tarifa todos os anos! E se o serviço for tão ruim que as pessoas decidam trocar o ônibus por outras formas de transporte? O contrato garante que no caso de redução de passageiros a Prefeitura tem o dever de promover mais aumento de tarifa ou do subsídio, patrocinando a incompetência dos empresários com o dinheiro do povo!

Teve ainda a tentativa (fracassada) de demissão dos cobradores, prevista na licitação mas derrotada pela forte luta do Sintraturb, a qual apoiamos. (Que derrota foi aquela, hein!?)

A auditoria realizada pelo Tribunal de Contas do Estado, em 2014, apontou, entre outras irregularidades, que a taxa de lucro do contrato de concessão da exploração dos terminais de ônibus da cidade é de 32%, um verdadeiro roubo, pois as taxas praticadas nesse mercado giram em torno de 8%. Nas palavras do próprio TCE: “além de remunerar a operadora em percentuais superiores aos esperados para o setor, tem influência direta no valor das passagens pagas pelos usuários, que leva em consideração todos os custos do sistema”. O que o Prefeito pretende fazer, rever os contratos? Municipalizar a COTISA? Algo nos diz que a sua covardia e incompetência preferem deixar tudo como está, promovendo esse assalto diário à economia popular.

Agora você veio com mais um aumento na tarifa! Pior: quer colocar o aumento na conta dos cobradores! Covardia e incompetência, lembra? As marcas da sua administração.

Em nota, o Tribunal Regional do Trabalho desmentiu as mentiras da Prefeitura sobre o aumento na tarifa. Posteriormente, o presidente de uma das comissões da OAB/SC declarou que parte do aumento nas passagens é ilegal. O que o Prefeito está esperando para revogar esse aumento vergonhoso (e ilegal) nas tarifas do transporte público de Florianópolis? Será que falta coragem? Ou será incompetência mesmo?

E tem mais: se o processo de licitação desrespeitou uma sentença normativa do TRT (que tem força de lei), publicada dois meses antes do Edital ser definido, isso configura um vício de origem no processo licitatório! A licitação e os contratos devem ser suspensos imediatamente, para que se faça justiça e se aplique a lei corretamente. Aí sim podemos abrir um processo democrático e participativo para que a população, sobretudo quem anda de ônibus, decida qual modelo de transporte quer para a cidade, quais os padrões de conforto dos veículos, tempo máximo de espera nos pontos, desenho de linhas, locais com corredores exclusivos, e, principalmente, como se financiará o sistema de transporte do município, definindo fontes de receita alternativas à cobrança da tarifa, em escala progressiva (quem tem mais paga mais, quem tem menos paga menos e quem não tem não paga), socializando com toda sociedade os custos do transporte, para que possamos ter um transporte público de verdade, de qualidade e com tarifa zero!

Já que estamos falando das mudanças que queremos no transporte da cidade, por que não pensar na região metropolitana também? Chega de aumento nas tarifas metropolitanas! Só em 2014, quem usa o intermunicipal, além de viver “desintegrado”, ainda teve que suportar dois aumentos na passagem no mesmo ano, autorizados pelo governador Raimundo Colombo, mais um amigo do prefeito que é inimigo da mobilidade da população! Florianópolis deve assumir seu protagonismo na região e iniciar um processo de integração do sistema de transporte da região metropolitana. Que tal transformarmos o atual SIM (Sistema “Integrado” (?) de Mobilidade) em SIMM (Sistema Integrado de Mobilidade Metropolitana)?

10933868_603415403137112_6365891709444486858_n

Na semana passada, realizamos dois grandes atos contra o aumento nas tarifas do transporte municipal e intermunicipal, mostrando nas ruas a revolta da população contra o aumento e a tarifa. Recebemos muito apoio popular, o que demonstra a insatisfação geral contra esse sistema de transporte caro e precário. Até agora, a única instituição que deu as caras para a população foi a Polícia Militar, que nada tem a ver com as decisões que envolvem o transporte e a tarifa.

Prefeito, deixe a covardia de lado, para que a incompetência não seja sua maior marca. A Prefeitura precisa se manifestar sobre o assunto! Não adianta sair dando declarações mentirosas, na TV e nos jornais, de que não vai aumentar a passagem e, 10 dias depois, promover esse absurdo, como se fosse normal, como se nós, o povo que constrói e faz a cidade funcionar, fôssemos esquecer. O povo não é bobo!

Amanhã, a partir das 17h, na frente do Ticen, ocuparemos as ruas da cidade mais uma vez, integrando um calendário nacional de luta contra a tarifa. Mais uma vez mostraremos nossa indignação e força, na luta por uma vida sem catracas e pela tarifa zero.

O Prefeito vai continuar demonstrando sua covardia e incompetência se escondendo atrás da Polícia Militar, como se não fosse o verdadeiro responsável pelo caos na mobilidade da cidade? Vai manter o silêncio enquanto patrocina a violência diária que vivemos em nossos deslocamentos, com ônibus superlotados, sem as mínimas condições de conforto e essa tarifa absurda?

Nossa resposta se dará nas ruas.

Florianópolis, 22 de janeiro de 2015.
Movimento Passe Livre Florianópolis

DSCN0688