A solução dos problemas de mobilidade que passamos não está em teleférico nenhum!

No dia 23.12 tentarão novamente colocar em votação na Câmara Municipal um projeto de lei que autoriza a Prefeitura da cidade a contratar um empréstimo de R$ 50 milhões de reais (é isso mesmo!) como contrapartida do município para as obras do Teleférico. Mais uma vez, o prefeito e os vereadores da cidade mostram como a mobilidade da população é enxergada pelo poder público: como um mero negócio, cujas negociatas definidas em gabinete dão sustentação política e financeira a todo tipo de maracutaia as quais políticos e empresários  da cidade estão envolvidos.

Enquanto mais da metade dos vereadores da cidade é investigada pela Operação Ave de Rapina, a maior parte deles fazendo parte da base aliada ao prefeito Junior, a Câmara finge que nada está acontecendo e julga ter legitimidade para continuar legislando contra a população. As investigações da Ave de Rapina tem mostrado o grau de corrupção presente na Câmara, onde votos para a aprovação de projetos como o do Teleférico são negociados em troca do pagamento de propina.

A solução dos problemas de mobilidade que passamos não está em Teleférico nenhum, que vem aí apenas para consumir nosso dinheiro atendendo a interesses escusos. O que a cidade precisa é de transporte público de qualidade, acessível a toda a população, com Tarifa Zero!

Não é preciso ser nenhum especialista no assunto para saber que a ideia do Teleférico é absurda e irracional, constituindo mais uma fonte de corrupção e desvio de recursos públicos. Por isso, precisamos estar organizados e barrar mais este projeto!

Compartilhamos abaixo um excelente texto do Werner Kraus Junior, prof. do Departamento de Automação e Sistemas da UFSC, mostrando os absurdos da proposta de Teleférico.



Por que o Teleférico TICEN / UFSC é 
péssimo para Florianópolis

Prof. Werner Kraus Junior
Depto. de Automação e Sistemas – UFSC

A Prefeitura de Florianópolis (PMF) quer fazer um teleférico ligando a região do TICEN com a Praça Santos Dumont, perto da UFSC.  Não é uma boa ideia, e a cidade vai amargar um prejuízo de R$ 30 milhões por ano em subsídio para manter o teleférico operando. É muito dinheiro!

E por que não vale a pena?  Eis as razões:

  1. Estação do Morro da Cruz vai ser de difícil acesso. A única estação do Maciço ficaria no Alto da Caieira, acima da Serrinha. Só uma parcela muito pequena da população do Maciço que mora perto ao local seria beneficiada. A Prefeitura diz que vai ter van para transportar até a estação, mas isso é absurdo: basta que as vans transportem direto as pessoas à Trindade, Saco dos Limões e Centro, não leva mais que 10 minutos!  
  1. É muito caro!  Um teleférico parecido custou R$ 210 milhões em 2010, no Rio de Janeiro. A Prefeitura diz que faz por R$ 150 milhões. É duro de acreditar, mas vá lá. Se for isso, só de prestação do empréstimo vai dar R$ 12 milhões (!!) por ano. Ainda tem que pagar o pessoal que trabalha no teleférico, a conta de luz, e a manutenção.  Por isso é que o subsídio teria que ser de R$ 30 milhões. Naquele do Rio de Janeiro, é R$ 37 milhões por ano. Com esse dinheiro, dava para fazer muita praça, mais corredores exclusivos para ônibus e túneis para agilizar o transporte coletivo.
  1. Transporta pouca gente. Para comparar, 12 ônibus grandes (como tem em Curitiba) transportam o mesmo número de passageiros. Como vai ter corredor exclusivo para ônibus no mesmo trajeto, basta comprá-los a um preço de menos de R$ 1 milhão cada.  Quer dizer, com menos de R$ 12 milhões a gente tem transporte garantido, rápido e barato!
  1. Passagem é cara.  Se os passageiros forem pagar pelo custo do teleférico, o preço da passagem seria de 10 reais por viagem. Isso se tiver 10 mil passageiros por dia durante 300 dias do ano, que é muito difícil de acontecer. Se menos gente usar, vai ficar ainda mais caro.
  1. Turistas não conseguem pagar a conta. A Prefeitura imagina que turistas possam ajudar a pagar a conta. Isso não é verdade.  Precisaria 1 milhão de turistas por ano pagando R$ 30 de passagem para pagar o custo do brinquedo. É impossível, isso é mais que o Pão de Açúcar no Rio de Janeiro. E quem vai pagar R$ 30 reais para um percurso que dá para fazer de carro? Em Portugal tentaram, e poucos usam (na cidade do Porto, no norte do país).
  1. Vai parar quando der mau tempo. Em dia de vento forte ou trovoada, o teleférico tem que parar. Mas o pessoal que estivesse dependendo dele para ir a algum lugar vai precisar de ônibus.  Ou seja, tem que ter mais ônibus do que o necessário só para acudir as paradas do teleférico, e isso é custo a mais que nós vamos ter que pagar!
  1. Desperdício de energia. Sendo elétrico, o teleférico pode dar a impressão de eficiência ecológica.  Mas para mover pessoas e cabines do Centro à Trindade, que ficam perto do nível do mar, o projeto prevê elevá-las a 190 m de altura no ponto mais alto da travessia. Isto é, cerca de 900 toneladas por dia serão elevadas àquela altitude sem necessidade, pois há caminhos que contornam o Maciço do Morro da Cruz sem grandes desníveis.
  1. Difícil integrar com o ônibus. No centro, a estação do teleférico ficaria afastada do TICEN, então as pessoas que vem de ônibus de outros pontos da região metropolitana não vão caminhar até lá. Pior ainda, o custo da tarifa é muito diferente entre um modo e outro, então haveria pouca gente a fim de fazer a troca.
  1. Destruição de espaços públicos.  Pelo menos dois espaços públicos já estariam condenados se o teleférico fosse feito:
  2. a) a Praça Santos Dumont, na Trindade:  local de instalação de uma das estações. A comunidade do bairro estava feliz de ter conseguido, via programa “Prefeitura no Bairro” da PMF, um aporte de cerca de R$ 1 milhão para reforma da praça, antiga reivindicação dos moradores. Para surpresa destes, a mesma PMF agora anuncia a estação no meio do local;
  3. b) terreno vizinho à Escola Dom José Jacinto Cardoso, no bairro Serrinha:  Ali, a comunidade escolar sonhava em ver construída uma ampliação da escola mas a proposta da PMF é colocar ali uma das torres de sustentação do teleférico.

E isso não é tudo. Tem mais razões ainda por que não se deve fazer essa obra. Teleférico é bom para lugares onde tem muito turista que topa pagar caro pelo passeio. Ou então em lugares com população muito grande vivendo em local sem acesso por estrada (na Colômbia e na Bolívia tem projetos desse tipo). Mas nada disso acontece aqui.

Enfim, o dinheiro desse projeto tem que ser usado para obras que tragam melhorias de verdade para as pessoas.  É um verdadeiro “Cavalo de Troia” cuja conta a prefeitura quer deixar para nós pagarmos.  

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑